Quem lê / Who's reading

"a escrita é a minha primeira morada de silêncio" |Al Berto

sábado, 30 de novembro de 2013

Os gémeos

 Foto: Elevador-da-Glória
Gémeos terão nascido
Talvez até siameses
Separados agora
Pela colina
Encontram-se no percurso
Subida de um
Descida do outro
Encontram-se num viajante
Que subiu na expectativa
E traz a memória
Do miradouro lá ao cimo
Da vista de ti,
Ó minha Lisboa.



De Lisboa para Basel

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Fénix

Sculpture by Ellen Jewett

A cada novo beijo do fogo
As minhas penas renascem
Mas seu fulgor nunca é o mesmo
Em cada novo nascimento
Suas cores com menos vivacidade
Ressurgem
Como se em minha alma
Menos vida habitasse já
Assim, o fogo me abraça
Toma o meu corpo sem resposta
Assim voo
Qual Fénix
Cansada de renascer…





Este poema foi postado originalmente no Tubo de Ensaio, blog em que publico regularmente, aqui.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

That small part of me

Tela: ADN, Sérgio Santos
Sérgio Santos Artwork: 

https://www.facebook.com/pages/S%C3%A9rgio-Santos-Artwork/513219785439619?fref=ts


I can be
Whom ever you want
Me to be
Accept
A new mask each day
From your hand
But there’s a part of me
You’ll never kill
It’s only hidden from your
Cruel eyes
You will never change
That small bit of me
The one which defines
Who I really am
That you’ll never be able to change
Even reach
It will never be yours

sábado, 23 de novembro de 2013

Meu centro

Vadim Stein
Sou como um pêndulo
Empurram-me
À direita
À esquerda
Acabo por voltar a ti
Meu centro
Que me atrai
Como se foras um íman

Só em ti me equilibro
Ainda que a corda
Esteja bamba
Só tu me seguras
Ainda que a queda
Pareça certa

Teu corpo
Minha metade
Tua alma
Indivisível da minha


Das conversas com o Amor

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

A Palavra

Após publicar a minha primeira poesia concreta no Tubo de Ensaio (aqui), e ainda inspirada pelo desafio "O Poder da Palavra", do Pense fora da caixa, a inspiração visitou-me e eis o resultado:



segunda-feira, 18 de novembro de 2013

A luz da minha cidade

Foto de Isa Lisboa


A luz da minha cidade
Em versos, houve poetas
Que a tentaram descrever
Em notas, houve músicos
Que a tentaram cantar
Em película, houve fotógrafos
Que a tentaram prender
Em tela, houve pintores
Que a tentaram imortalizar.

Mas só quem nestas ruas
Costuma caminhar
Sabe como ela é
Porque todos a tentam guardar;
À luz da minha cidade.



Para a Alexandra, que deu o mote a este poema

sábado, 16 de novembro de 2013

Toalha ao chão

Foto: Vadim Stein

# Monólogos da Desalinhada #
-- Isa Lisboa --

Lembro-me do exacto momento em que atirei a toalha ao chão! Estava ensanguentada e ensopada em suor, já mesclada com este líquido que se me substituiu nas veias.
Caiu pesada no chão, ecoou em mim, perdida no ringue.
Lembro-me do exacto momento. Aqueles segundos tornam-se cada vez mais distantes, o silêncio que explodiu na minha cabeça torna-se mais difuso.
Ainda hoje me pergunto se; mas quantos knock-out mortais devemos aguentar - na realidade?

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Haicai do Amor: Pertença

Foto: DerekGores


A ti pertenço
Exiges que me eclipse
Tua, eu não sou mais


Este haicai foi publicado originalmente no Tubo de Ensaio - Laboratório de Artes, aqui

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Haicai do Amor: A ti

Foto: Irene Carranza






Puxa-me a ti
Ama-me, não me prendas

Voltarei sempre










Este haicai foi publicado originalmente no Beco de Ideias, aqui

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Haicai do Amor: Luz

Foto: Marek Langowski








Sol ou lua serás?
Não sei onde habito.
És a minha luz.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Haicai do Amor: Equilíbrio

Foto: She is my drug_Kainir

Amor, desejo
Dois pratos na balança
Solução uma só



Haicai publicado originalmente no Blog Pense fora da caixa, aqui

domingo, 10 de novembro de 2013

“In útero”

Remexo-me
Nas minhas próprias entranhas
Inquieta
Perdi o valoroso dom
De não buscar
De não me interrogar.
(Alguma vez o tive?)
Estico um braço
Neste espaço exíguo
Testo a resistência
Desta película
Acredito poder quebrá-la.

Dúvida,
Resta uma:
Será meu destino sair

Ou o teu entrar?

Arte: Foto: In Útero, CarlosSaramago

sábado, 9 de novembro de 2013

A Isa no espaço Divulga Escritor!

A jornalista Shirley Cavacalnte concedeu-me uma entrevista no espaço Divulga Escritor, que vos convido a conhecer no link seguinte:




Conheçam também o espaço Divulga Escritor aqui:




Aproveito o momento para deixar um grande agradecimento a todos quantos me lêm! 

O número de seguidores aqui é de quase 150 e na página do facebook já ultrapassou o dobro!

As visitas ao blog no mês passado registaram o dobro dos meses anteriores!
Todos vocês me têm ajudado a descobrir cada vez mais a escrita e um novo prazer a retirar dela!

Sejam sempre aqui bem vindos!

Um abraço a todos!




quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Lágrima

Secas
As lágrimas
Teimosa
Uma
Insiste em cair.

Apanho-a
flower_almostbnw_nature_415645_h
Com um dedo
Esmago-a com o outro.

Às outras
Guardo-as.
Já gastei mais
Contigo
Que as que mereces.

sábado, 2 de novembro de 2013

Velocidades

# Monólogos da Desalinhada #
-- Isa Lisboa --

Primeira. Arranque rápido. Segunda. Terceira. Acelero. Quarta. Mais rápido. Quinta. Prego a fundo. Sem olhar para o velocímetro. Ainda vejo a estrada. Mais. Mais rápido. Não é pela adrenalina. É porque preciso chegar. Ou será pela adrenalina? Chegar onde? Chegar para quê? Ninguém me espera. Nem eu já me espero. Acelero só para chegar. Já não vejo o alcatrão, chegar? Se não sei para onde vou, como saberei que cheguei? Vou em quinta, não há sexta, continuaria. Mas não faz sentido. Travagem brusca.

Foto: Tran Nguyen

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares / Popular messages