Quem lê / Who's reading

"a escrita é a minha primeira morada de silêncio" |Al Berto

sábado, 6 de julho de 2013

Menina asas de borboleta

Da série Correspondence, (c) Gaëlle Boissonnard - Presente da Fátima

Sempre tive asas. Desde que me lembro. Desde que nasci, parece-me. 

Não sabia para que serviam. Pequeninas, frágeis. Onde poderiam levar-me?

E quando falava nelas, ninguém me acreditava: ninguém as via a não ser eu! Seriam apenas fruto da minha imaginação? As crianças têm uma imaginação fértil, diziam-me os crescidos. 

Por isso às vezes duvidava...

Cresci, mas continuava a sentir as minhas asinhas presas às minhas costas, por vezes mexiam-se sem que eu pensasse nelas. Como se quisessem lembrar-me que haviam sido feitas para voar. E acho que era mesmo isso que queriam.

Mas continuavam invisíveis, e aos crescidos já não se desculpa a imaginação.

Comecei a não falar nelas...

Mas quando se nasce com asas, o vento nunca deixa de nos chamar. E vem o dia em que o vento é tão forte , que não podemos fingir que não o ouvimos.

E foi então que tive que as experimentar, comecei a bater as asinhas,  devagar ao início, depois percebi que elas eram fortes. Mais fortes que eu imaginava.

E, desde então, não mais deixei de voar.

16 comentários:

  1. Olá, Isa! Quem não se permite ter asas não consegue compreender aqueles que voam, pensam que é loucura, quando na verdade, é desejo de viver intensamente. Que suas asas sempre a levem a voos mais altos e a pousos seguros. Lindo texto, um abraço!

    ResponderEliminar
  2. Bom dia, Isa. Nada melhor do que ter asas, voar, ser livre, nos pensamentos e ideais.
    Embora não seja vista por muitos, talvez nem percebidas por quem as têm, as asas são como a nossa respiração.
    Quando a usamos corretamente, temos uma vida saudável, quando não cuidamos do nosso pulmão, sai ela fraca e doente.
    Sejamos livres, protetores das nossas asas, que muito fazem por nós, nos dão a tão sonhada liberdade voando mesmo com o pé no chão.
    Parabéns!
    Tudo de bom e beijos na alma!

    ResponderEliminar
  3. Hoje vim te convidar a visitar o FOLHAS DE OUTONO através do Poema LENTES DO MEU OLHAR!
    Que pode ser considerado uma arte,mas que na realidade revela o movimento que tem o teu olhar.
    Peço desculpas por não poder deixar comentário,mas te espero lá para falar de vida e de lente que faz reinar a beleza da luz ...
    bjs e até minha volta recuperada !

    ResponderEliminar
  4. Isa, acho que nascemos com asas na alma. Só nós o sabemos e o revoar se faz desde sempre.Porém, há um tempo em que ele se torna indispensável a nossa sobrevivência e o delatamos mesmo que não o queiramos,elas tem automia. Adorei, bjs

    ResponderEliminar
  5. Todos nascemos com asas, mas a muitos, a vida corta-as.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. E não deixes, Isa!
    O voo pode fazer-se de várias formas, mas o importante é estar nas nuvens!
    Gostei das tuas asas!

    => Crazy 40 Blog
    => Pense fora da caixa
    => Tubo de Ensaio
    => MeNiNoSeMJuIz®

    ResponderEliminar
  7. Ainda bem que tens asas e voas.
    Mas eu já as tinha visto em muitasas palavras...
    Belíssimo texto, gostei.
    Beijo, querida amiga Isa.

    ResponderEliminar
  8. Asas da liberdade! Profunda narrativa. Abraços.

    ResponderEliminar
  9. "eu tinha umas asas brancas, asas que um anjo me deu"

    Garrett perdeu-as

    a Isa, acredita nas suas

    muito bonito!

    um abraço

    ResponderEliminar
  10. Ter asas e voar... Tão libertador, Isa e belo.

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  11. ter asas e saber fazer bom uso delas, não é para todos....

    muito belo!

    :)

    ResponderEliminar
  12. Que bom continuares a sentir as tuas asas, as minhas foram cortadas há muito...voa SEMPRE.
    Bjs

    ResponderEliminar
  13. Olá Isa!

    Vim conhecer o teu blog e já estou a segui-lo.
    Vim ler-te e gostei do teu jeito de escrever.
    Quando somos crianças vemos e sentimos tudo.

    Beijinhos,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com

    http://jakeemary.blogspot.com

    ResponderEliminar
  14. Sempre adimirei os seres alados e achava que os via em maior número que as outras pessoas.
    Tão graciosas as asas, tão delicados movimentos que elas permitiam, mas sempre achei que não eram para mim, ser rasteiro, e, como sabemos: Deus, não dá asas a cobra! Ou dá?!?

    ResponderEliminar
  15. Minha querida

    Que bom ainda sentires as tuas asas e continuares a voar...é que sem asas os sonhos ficam por concretizar.
    Lindo sempre ler-te.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar

Um espaço para recortes que completem o álbum de instantâneos... Obrigada pela visita!
A space for clip to complete this snapshot album... Thank you for your visit!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares / Popular messages