Quem lê / Who's reading

"a escrita é a minha primeira morada de silêncio" |Al Berto

quarta-feira, 14 de março de 2012

Conversas com o mar / Talkink with the sea


Olá, velho amigo. Hoje vim ver-te. Ouvi-te chamar-me e cá estou. Vestiste-te com aquela mistura de azul que não consigo descrever. Não consigo nunca pôr em palavras nenhuma das tuas roupas…
Estás agitado hoje! Talvez só me chames quando estamos contrários…
Os dias estão já mais longos, posso ficar aqui um pouco mais, sentada contigo.
Com os pés enterrados na areia, deixando que o vento me desalinhe o cabelo.
Oiço-te. Até a tua fúria é bela. As ondas que desenhas, a forma como se aproximam vorazmente da costa, a força com que enfrentam as rochas, num combate de paciência contra ansiedade. Ou como descansam na praia apagando os passos de quem acabou de passar. Hoje queres o areal para ti.
Mesmo assim aproximo-me, beijas-me os pés, sinto os salpicos de sal no rosto.
Fecho os olhos, assim ouço-te melhor. Escuto a sinfonia que me compuseste, és imenso!
Já vejo a minha sombra reflectida na areia. É hora de te deixar.
Volto.
Quando me chamares.



Hello, old friend. I came to see you today. I heard you call for me and here I am. You’re dressed with that mix of blue I can’t describe. I can never put in words any of your clothes…
You are restless today! Maybe you call me only when we are opposite…
The days are longer, I can stay a bit more, seated with you.
With my  feet buried in the sand, allowing the wind to tangle my hair.
I can hear you. Even your fury is beautifull. The waves you draw, the way they came to the shore, fiercely, the streght they have facing the rocks, in a fight of patience against anxiety. Or how they rest on the beach, erasing the footprints of those who just went by. Today you want the sand for yourself.
Still, I come close, you kiss my feet, I feel the bits of salt in my face.
My eyes are closed, I can hear you better, that way. I’m listening to the symphony you wrote me, you are vast.
I can see my shadow reflected in the sand. It is time to leave you.
I will came back.
When you call me.

15 comentários:

  1. O Mar...um confidente que deixei lá longe e do qual sinto saudades.

    Belíssimas fotos.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. É verdade, o mar é um confidente...
    Espero que as fotos tenham ajudado a matar um pouco das saudades ;)
    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Sim, sempre um bom companheiro para uma pausa!

      Eliminar
  4. Também adoro o mar. Descreveste-o bem. :)

    ResponderEliminar
  5. Minha querida

    Um texto sublime...é olhando a imensidão do mar que muitas vezes dialogamos com o nosso EU mais profundo e encontramos tantas vezes a paz que precisamos.

    Beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  6. também gosto muito do mar. muito, e gostei das fotos.

    beij

    ResponderEliminar
  7. Está brital. No more words to say it... Obrigado pelo momento intenso!

    ResponderEliminar
  8. E lá está ele, o meu confidente e cumplice, sempre me ajuda quando o procuro...dá-me uma paz dificil de descrever!
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. O mar faz parte integrante da minha vida, não conseguiria viver sem ele.
    Adorei o texto, senti as palavras...
    Beijos

    ResponderEliminar
  10. O mar...ai o mar...faz parte de mim e tenho o privilégio de o ver e de o ouvir todos os dias desde que me lembro de ser gente.
    Faz parte de mim,e falo com ele.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  11. Soubeste tão bem dizer ao mar...
    "Volto.
    Quando me chamares."
    Perfeito, Isa!
    Beijinhos!

    ResponderEliminar

Um espaço para recortes que completem o álbum de instantâneos... Obrigada pela visita!
A space for clip to complete this snapshot album... Thank you for your visit!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares / Popular messages