Quem lê / Who's reading

"a escrita é a minha primeira morada de silêncio" |Al Berto

quinta-feira, 11 de abril de 2013

O rio / River

Estou além, António Variações


Olhei pelo espelho retrovisor
vi o rio
atrás de mim.

O rio
que me viu crescer.

O rio
que me ensinou a nadar.

O rio que me falou
do mar,
que me fez querer conhecê-lo.

Mal eu sabia
que quando conhecesse o mar,
ele me falaria
do horizonte.

E que o horizonte
me falaria
do céu.

-*-

I looked in the rearview mirror
I saw the river
behind me.

The river
who saw me grow up.

The river
who taught me how to swim.

The river who told me about
the sea,
it made ​​me want to know him.

Little did I know
That when I met the sea
he'd tell me about
the horizon.

And the horizon
would tell about
the sky.

14 comentários:

  1. O rio conhece as margens todas até chegar ao mar.
    Excelente composição e o vídeo do António Variações, desconsiderado pelo meio artístico incluído a fascista da Amália Rodrigues.

    ResponderEliminar
  2. que bonito!

    feliz inspiração.

    beijinho

    ;)

    ResponderEliminar
  3. Magnífico poema...o rio qual estrada da vida rumo ao seu fim, o mar!

    Adoro António Variações!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Vivi sempre com um rio por perto... mas nunca me lembro de o ter olhado pelo espelho retrovisor.
    :)

    Lindo!

    ResponderEliminar
  5. Adoro António Variações, vi-o pela primeira vez ao vivo no Campo Pequeno na festa do 7, um espanto, vestido com uma espécie de pijama...
    Boa inspiração.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Adoro António Variações, vi-o pela primeira vez ao vivo no Campo pequeno, na festa do 7, um espanto! vestido com uma espécie de pijama...
    Boa inspiração.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Teu rio personificou alguém bem querido para mim. Obrigado.

    ResponderEliminar
  8. Um rio inteligente, poderoso e amigo...

    beijinho

    ResponderEliminar
  9. E assim se conhece a grandeza do universo. Bj. Isa!

    ResponderEliminar
  10. Interessante, mas o meu horizonte nunca me falou do céu. É uma linha distante. Me falou de passos, de distancia e de ilusões. O meu rio também não me fala de mar, talvez porque eu tenha conhecido primeiro o mar, não sei. O meu rio fala de caminhos, veias, coração. rs

    bacio e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  11. Mais um excelente poema.
    Navegar nas tuas palavras é sempre aprazível.
    Isa, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. como a nascente fala da foz

    de que seria dos rios sem mar,

    e de nós?


    um abraço, Isa

    ResponderEliminar
  13. Chegar sempre mais longe…e mais..
    Ser e estar já noutro lugar,
    Mesmo antes de chegar.


    Como o rio, sempre vamos, mais além…

    A escolha da música, foi perfeita!

    Gostei como sempre :)


    ResponderEliminar
  14. E que assim, eternamente, continuarias a encantar-te!
    E, graças a essa visão que tão longe vais, encantas os teus leitores todos os dias...
    Adorei!
    Beijinhos!

    ResponderEliminar

Um espaço para recortes que completem o álbum de instantâneos... Obrigada pela visita!
A space for clip to complete this snapshot album... Thank you for your visit!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares / Popular messages